08 fevereiro 2017

Resenha: Filha da Ilusão


Título: Filha da ilusão
Título Original: Born of Ilusion
Autor: Teri Brown
Editora: Valentina
Nº de páginas: 288
SKOOB
 3/5
Ilusionista talentosa, Anna é assistente de sua mãe, a famosa médium Marguerite Van Housen, em seus shows e sessões espíritas, transitando livremente pelo mundo clandestino dos mágicos e mentalistas da Nova York dos anos 1920. Como filha ilegítima de Harry Houdini - ou pelo menos, é o que Marguerite alega - os passes de mágica não representam um grande desafio para a garota de 16 anos: o truque mais difícil é esconder seus verdadeiros dons da mãe oportunista. Afinal, enquanto os poderes de Marguerite não passam de uma fraude, Anna consegue realmente se comunicar com os mortos, captar os sentimentos das pessoas e prever o futuro.

Porém, à medida que os poderes de Anna vão se intensificando, ela começa a experimentar visões apavorantes que a levam a explorar as habilidades por tanto tempo escondidas. E, quando um jovem enigmático chamado Cole se muda para o apartamento do andar de baixo, apresentando Anna a uma sociedade secreta que estuda pessoas com dons semelhantes aos seus, ela começa a se perguntar se há coisas mais importantes na vida do que guardar segredos. Mas em quem ela pode, de fato, confiar?

Teri Brown cria, neste fantástico romance histórico, um mundo onde pulsam a magia, a paixão e as tentações da Nova York de Era do Jazz - e as aventuras de uma jovem prestes a se tornar senhora do seu destino.

Anna Van Housen cresceu a margem da sua mãe. Em uma época onde muitas pessoas acreditam que a magia é real e mexer com espíritos pode levar a prisão, Anna e sua mãe, a maravilhosa vidente Marguerite Van Housen, vão de um lugar para o outro, sendo que tudo que Anna sonha é um lar e estabilidade.

O que poucas pessoas sabem é que a grande estrela do show, na verdade, é Anna. Enquanto sua mãe é uma atriz que consegue convencer todo mundo que tem algum talento, Anna é aquela que consegue ler as pessoas e fazer a magia de verdade. De acordo com sua mãe, ela é filha do grande ilusionista Harry Houdini, mas que nem sabe da sua existência.

Depois de um bom empresário conseguir clientes famosos para elas, Anna e Marguerite se mudam para Nova York onde a mãe espera mais fama e Anna espera o verdadeiro reconhecimento.

Mas um vizinho misterioso chamado Cole pode mudar o rumo da vida de Anna quando coisas estranhas começam a acontecer com ela e novas habilidades habilidades começam a aparecer, colocando em risco Anna, sua mãe e todos ao seu redor.


Vou confessar que não sou muito fã de livros desse tipo, mas Filha da ilusão é muito original e bem desenvolvido.

Ambientado no ano de 1920, Filha da ilusão nos coloca em um cenário completamente diferente do que estamos habituados. A autora mistura ficção com realidade, personagens que realmente existiram e outros criados por ela, fazendo o livro se tornar muito interessante.

Com o aparecimento dos poderes, Anna vai procurar seu "pai" Houdini, para saber de onde herdou esses poderes sobrenaturais de se comunicar com espíritos, saber o que as pessoas estão pensando, sentindo e etc. Basicamente o livro gira em torno disso. Dessa busca.

A obra é cheia de mistério, mas achei que ela criou esse clima de suspense por tempo demais e o final acabou muito corrido para tudo ser desvendado. Não foi muito bom. Era como se fosse uma surpresa atrás da outra, sem interrupção.

Anna é uma personagem maravilhosa. Para as mulheres de sua época e com a pouca idade que tem - 16 anos - ela é muito talentosa, corajosa e determinada.

Além dela, existem vários outros personagens secundários muito peculiares e diferentes como a própria mãe dela, Marguerite Van Housen, que foi uma das personagens que eu mais gostei por conta do seu jeito. Além dela tem o Cole e o Owen que ajudam a construir o mistério na história.

Uma coisa que eu achei muito interessante foi a relação de mãe e filha. Anna o tempo todo quer se libertar e ser quem ela realmente gostaria de ser, mas a mãe dela odeia não ser o centro das atenções e isso causa muitos conflitos entre as duas. É algo que eu, geralmente, não gosto, mas nesse livro, foi descrito de uma maneira boa.

Enfim, recomendo para quem gosta do gênero magia e sobrenatural. É uma leitura bem original e diferente.

3 comentários:

  1. Essa mãe dela tem uma personalidade meio ruim kkkk sei lá, não gostei muito dela não ;D gostei da resenha!

    Bjinhos,
    ❥ AmigaDelicada.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gabi!
    Gosto muito do gênero magia sobrenatural, embora ainda não tenha lido o livro, mas bem gostaria, primeiro porque Houdini foi um grande mágico e porque gostaria de desvendar todos os segredos guardados no livro.
    Desejo uma semana repleta de realizações!
    “O saber é saber que nada se sabe. Este é a definição do verdadeiro conhecimento.” (Confúcio)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de FEVEREIRO, livros + KIT DE MATERIAL ESCOLAR e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que tenha a oportunidade de lê-lo.
      Beijos!

      Excluir